Objectivos

 

Este GO pretende contribuir para a valorização integrada deste recurso endógeno português com base na criação de indicadores de qualidade e de estratégias de produção e transformação sustentáveis, nomeadamente tirando partido das competências e recursos instalados nas entidades parceiras, e que deverão conduzir à criação de um centro piloto do sabugueiro potenciador deste desenvolvimento. Este centro deverá constituir um núcleo de inovação em toda a cadeia de valor do sabugueiro. É ainda de realçar que a equipa foi desenhada no sentido de criar sinergismos e complementaridades, estimulando os canais adequados de comunicação e de transferência de conhecimentos e tecnologias, aproximando as entidades I&D com os produtores e empresas do setor agroalimentar.

Foram definidos os seguintes objectivos específicos:

  1. Definição de indicadores de qualidade da flor e da baga (parâmetros físico-químicos), que relacionam as condições de cultura com a composição da flor e da baga. Esta informação sobre o ciclo de produção da flor e da baga poderá ser útil na rastreabilidade e ainda na construção de uma estratégia inovadora de comunicação com o consumidor.
  2. Implementação de processos de estabilização e armazenamento da flor e baga com vista a preservar os seus componentes bioativos num período superior ao de colheita normal dos materiais (cerca de 1 mês), garantindo assim o aprovisionamento contínuo de matérias-primas com rigorosos padrões de qualidade alimentar. Sendo estes produtos sazonais, é fundamental criar condições para incrementar a sua disponibilidade no mercado ao longo do ano, mantendo tanto quanto possível a sua integridade.
  3. Concepção e desenvolvimento de novos produtos alimentares, nomeadamente, liofilizados, pós com diferentes granulometrias, concentrados, e prensados secos, tirando partidos das distintas da flor e da baga de sabugueiro.
  4. Avaliação nutricional dos produtos a desenvolver. Esta informação é fundamental para a criação de valor acrescentado e relação de confiança com o consumidor.
  5. Criação de um website, de redes de disseminação de informação e de rede de parcerias com associações de consumidores, empresas do ramo alimentar e produtores de sabugueiro como forma de divulgação, comunicação e valorização do sabugueiro, a nível nacional e internacional.
  6. Criação de um centro piloto do sabugueiro que deverá representar um núcleo de inovação em toda a cadeia de valor do sabugueiro: da planta à criação de novos produtos alimentares de valor acrescentado.